Publicidade
Publicidade
Publicidade
Pegos de surpresa, moradores pouco conseguem retirar das casas
Mesmo com muitos locais já alagadas, movimentação foi intensa na madrugada de terça para quarta
Pegos de surpresa, moradores pouco conseguem retirar das casas
RÁPIDO - Água subiu rápido e muitas pessoas não conseguiram salvar quase nada
Após a forte chuva do último final de semana e alguns estragos registrados, a situação se estabilizou um pouco durante a tarde de terça-feira. A água que havia alagado o pátio do SAAE na segunda já tinha baixado bastante e, naquele momento, eram esperados, segundo o coordenador da Defesa Civil, José Antonio Marise, 50 milímetros de chuva na bacia do Rio Lençóis.
No entanto, durante o fechamento da edição de quarta-feira (na terça, por volta das 19h), uma leitora enviou pelo WhatsEco: (14) 9 9888-3311, imagens feitas de sua casa mostrando o pátio da autarquia novamente sendo invadido pelo Rio Lençóis. A redação então entrou em contato com Marise, que disse que a média de chuva esperada durante a tarde já havia sido extrapolada e tudo indicava que o nível do rio continuaria subindo.
Depois disso, uma forte chuva castigou a cidade e a situação começou a se complicar por volta das 21h. Moradores de diversos bairros contam que foram orientados inicialmente por funcionários da Prefeitura a apenas levantar os seus pertences porque a água continuaria a subir. O que, de fato, aconteceu.
Porém, muitos reclamam que não foram alertados sobre a possibilidade da proporção da enchente serem tão grandes, com represas se rompendo como em 2006. A trabalhadora rural Maria Cristina Procópio, de 38 anos, que mora na Vila Contente com o marido e cinco filhos, disse que por volta das 20h30 a água começou a chegar em sua casa e rapidamente o nível foi subindo.
“Não estávamos esperando que fosse subir tanto. Ninguém nos alertou quanto a isso. Só deu tempo de tirar as coisas de maior valor: máquina de lavar, geladeira, micro-ondas e um pouco de roupas”, conta.
O mesmo aconteceu na Vila Repke. Segundo Dionísio Manoel da Silva, que já sofreu com outras enchentes no local, no momento em que foi entrevistado, por volta das 23h30 de terça, a proporção do alagamento já era a mesma do que a enchente registrada em 2011. Seu carro e duas motos ficaram submersos na garagem. “A água subiu muito rápido. Eu não estava em casa no momento e não deu tempo de tirar muita coisa”, lamenta.
Mesmo com a água já invadindo as casas. Durante toda a madrugada, a movimentação de funcionários da Prefeitura, SAAE e de pessoas tentando salvar os seus pertences e ajudando amigos e parentes foi grande nas áreas afetadas. Em uma semana triste para Lençóis Paulista, a solidariedade fez a diferença desde os primeiros indícios de enchente.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia