Publicidade
Publicidade
Publicidade
PF leva Lula para dar depoimento em nova fase da Lava Jato
Paulo Okamotto, também foi alvo de operação chamada ‘Aletheia’, que significa a busca da verdade
PF leva Lula para dar depoimento em nova fase da Lava Jato
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o 3º Congresso Nacional da Juventude do PT (Antonio Cruz/Agência Brasil)
A 24ª fase da Lava Jato deflagrada nesta manhã e que tem mandados de condução coercitiva – quando o investigado é levado a depor pela Polícia Federal – para o ex-presidente Lula, e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto é chamada ‘Aletheia’, expressão grega que significa “busca da verdade”.
A operação foi deflagrada com base em investigações sobre a compra e reforma de um sítio em Atibaia frequentado pelo petista, o fato de sua mudança ter sido transportada para o local e a relação desses episódios com empreiteiras investigadas na Lava Jato, além da relação dele com um tríplex no Guarujá reformado pela OAS.
As polêmicas obras do sítio frequentado pelo ex-presidente e reformado por empreiteiras e do tríplex da Bancoop, cooperativa dos bancários comandada pelo PT,  adquirido por Lula e sua mulher Marisa Letícia, que posteriormente desistiram da compra, estão na mira da força-tarefa da Lava Jato.
Em ambos os casos, os imóveis foram reformados por empreiteiros investigados por terem participado do esquema de corrupção na Lava Jato. O ex-presidente afirma que o tríplex, que foi transferido para a OAS assim como outros apartamentos no mesmo edifício após a Bancoop ficar insolvente, em 2009, não é dele.
Além disso, em ação movida no Supremo Tribunal Federal, a defesa do ex-presidente alegou que o imóvel foi comprado pelo amigo e ex-prefeito de Campinas Jacó Bittar (PT), em 2010, para que as duas famílias pudessem “conviver” e para que ele pudesse “acomodar objetos” recebidos do “povo brasileiro” durante seus dois mandatos. A defesa ainda admitiu que o pecuarista José Carlos Bumlai teria oferecido para bancar as obras de reforma do local.
Em recente petição encaminhada ao Supremo, para defender que a investigação envolvendo o ex-presidente seja conduzida pelo Ministério Público Federal no Paraná e não pelo Ministério Público de São Paulo, a força-tarefa da Lava Jato alegou que há suspeita de que as obras polêmicas seriam uma das vantagens oferecidas ao ex-presidente pelas empreiteiras em troca de contratos na Petrobrás quando Lula ainda era presidente.
Na investigação conduzida pelo MPF, o procurador da República Deltan Dallagnol aponta que a análise preliminar das provas reunidas demonstra “tipologia criminosa de lavagem de capitais já denunciada no âmbito da Operação Lava Jato, envolvem José Carlos Bumlai, executivos da Odebrecht e executivos da construtora OAS, todos investigados e muitos dos quais já denunciados no esquema de corrupção que assolou a Petrobrás”.ão grega que significa busca da verdade. (Estadão Conteúdo)
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia