Publicidade
Publicidade
Publicidade
Consumidores que pesquisam preços podem economizar na Páscoa
Para garantir as vendas, comerciantes investem na variedade de opções; ovos subiram em média 15% em relação a 2015
Consumidores que pesquisam preços podem economizar na Páscoa
SALGADO - Consumidores buscam alternativas para substituir o bacalhau - (Foto: Elton Laud/O ECO)
Com a proximidade da Páscoa, supermercados e lojas especializadas já exibem em seus corredores e vitrines diversas opções de ovos de chocolate e produtos relacionados à data, comemorada no dia 27 deste mês. Como de praxe, a variedade é a grande aposta dos comerciantes para atrair diferentes perfis de clientes e driblar a crise que afeta todos os setores da economia do país.
Crise que, inclusive, resultou em um aumento maior que o registrado em anos anteriores no preço dos ovos de páscoa, de acordo com levantamento feito pela Associação Paulista de Supermercados (Apas), que aponta reajuste médio de 15% este ano, enquanto, em anos anteriores, o aumento ficou entre 7% e 9% em média. Fatores como a variação do dólar, o aumento no preço da energia elétrica, dos combustíveis e até do açúcar impulsionaram a alta, segundo a entidade.
Por conta disso, pesquisar é a palavra de ordem entre os consumidores. A dona de casa Mirian Alves da Silva, por exemplo, disse já ter passado por três lugares diferentes á procura dos melhores preços e pretende continuar até a próxima semana. "Tenho sete sobrinhos e sempre comprei ovos para todos. Este ano estou pesquisando mais para gastar o menos possível. Achei algumas opções mais em conta, mas ainda não sei o que vou fazer. Talvez eu compre ovos menores este ano", comenta.
Já a vendedora Cintia Domingues optou por uma alternativa mais criativa. Ela disse que pretende comprar as barras de chocolate e fazer em casa os quatro ovos que planeja presentear. "Nunca fiz, na verdade, mas acho que compensa por conta do preço. Fazendo em casa eu vou gastar em um ovo de 500g a mesma coisa que eu gastaria comprando um de 300g. Vou fazer até os bombons para colocar dentro", conta.
PESQUISA
Nesta terça-feira (8), a reportagem do Jornal O ECO esteve em supermercados e lojas do seguimento em Lençóis Paulista pesquisando os preços dos ovos de páscoa e similares. Os mais baratos encontrados foram os de 50g de uma linha de chocolates artesanais, vendidos a R$ 6,90, e os de 45g da linha Tortuguita, da marca Arcor, que custam R$ 6,98.
Os ovos de peso médio, entre 200g e 400g sofrem bastante variação de acordo com a marca e linha. Nessa faixa, os mais em conta encontrados foram o Amandita de 231g, da Lacta, e o Lacta ao leite de 196g, ambos vendidos a R$ 22,98. Os mais caros dentro desta faixa foram os da marca Ferrero Rocher, de 370g e 390g, vendidos a 73,90 e 75,90, respectivamente. Para que está disposto a gastar um pouco mais, existem ovos até R$ 276, como o de 2,8 kg a Cacau Show.
Analisando pelo quantidade de chocolate em si, os ovos mais caros vendidos este ano são os vinculados a personagens infantis e super-heróis. A maioria dos ovos encontrados pesam entre 100g e 150g, mas têm preços que vão de R$ 32,90 a 65,99, apenas por conta dos brindes, que vão desde miniaturas de bonecas Barbie e Homem-Aranha até caixinha de som em formato da máscara do Darth Vader, do filme Star Wars.
ALTERNATIVAS
Caixas de bombons e barras de chocolate têm sido bastante procuradas como alternativas aos preços dos ovos de páscoa. A reportagem encontrou boas opções nos lugares visitados. O valor das barras de chocolate de 500g, por exemplo, varia entre R$ 19,99 e R$ 27,90. Já as caixas de bombons de 300g custam entre R$ 6,59 e 9,85. Os pacotes de bombons com 1kg custam entre R$ 35,90 e R$ 39,99.
 
Comerciantes esperam repetir desempenho de 2015
Apesar do cenário pouco favorável, os comerciantes de Lençóis Paulista têm se mostrado otimistas em relação às vendas. Segundo Tânia Orsi, gerente de comunicação de uma rede de supermercados o crescimento nas vendas é pouco esperado, mas a expectativa é de manter o mesmo patamar do ano passado.
"Estamos vivendo um momento em que as pessoas estão gastando menos, economizando. Diante disso, estamos investindo mais na negociação com fornecedores para manter os preços em um nível competitivo e atrativos aos clientes. Assim temos conseguido manter", revela. Além da variedade, que é a maior aposta dos lojistas, a facilidade no pagamento tem sido um ferramenta bastante usada. Na maioria dos locais visitados, tanto os ovos de páscoa quanto o bacalhau podem ser parcelados em até três vezes no cartão de crédito até a Páscoa.
Alessandro Luvizutto, gerente de um supermercado local, prevê que as vendas comecem a crescer a partir do final de semana. Segundo ele, as vendas de ovos devem se manter estáveis em relação a 2015, porém, é esperado um crescimento na venda de caixas de bombons e barras de chocolate. "O pessoal tem procurado bastante por esses ítens alternativos. A gente tem observado também que a procura por enquanto tem sido pelos ovos menores, mas o pessoal costuma deixar para a última hora", ressalta. 
 
Com bacalhau em alta outros pescados ganham espaço na mesa
Segundo pesquisa da Apas, o preço do bacalhau subiu cerca de 10% em relação a 2015. Nos supermercados de Lençóis Paulista o Bacalhau do Porto, variedade mais procurada, está custando entre R$ 53,90 e R$ 79,90 o quilo. Por conta do preço tão salgado quanto o próprio peixe, o consumidor tem procurado bastante por outras alternativas durante a quaresma.
"Tem bastante opção de pratos que podem ser feitos com peixes mais em conta. O bacalhau não é tão indispensável assim. As coisas estão caras e a gente precisa usar a criatividade. Este ano eu vou levar a polaca do Alasca mesmo, que é muito parecida com o bacalhau", conta a aposentada Anita Ferreira dos Santos.
A Polaca do Alasca é, de fato, a opção mais procurada por se assemelhar ao bastante ao bacalhau. O preço dela varia entre R$ 13,90 e R$ 19,90. O filé de merluza é ainda um pouco mais em conta, entre R$ 13,90 e R$ 21,90. Filé de mapará (de R$ 13,90 a 17,90); filé de tilápia ( de R$ 17,49 a R$ 29,75), sardinha inteira (de R$ 5,49 a R$ 9,55) também são opções bastante procuradas.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia