Publicidade
Publicidade
Publicidade
Delegado pede prisão preventiva de 40 pessoas
Grupo integrava quadrilha de tráfico de drogas; seis vão responder em liberdade
Delegado pede prisão preventiva de 40 pessoas
COMBATE Delegado Luis Cláudio Massa conduziu investigações que resultou na prisão de 40 por tráfico de drogas - (Foto: Gabriel Cochi/OECO)
O delegado titular de Lençóis Paulista, Luiz Cláudio Massa, concluiu o inquérito instaurado para apurar a atuação de um grupo de pessoas que integrava quadrilha, desarticulada no final de janeiro, durante megaoperação de combate ao tráfico de drogas.
Massa representou pela prisão preventiva de 40 pessoas. No total, 46 envolvidos com o comércio ilegal de entorpecente na cidade e região (entre homens e mulheres) foram presos temporariamente e três adolescentes apreendidos.
Semana passada foram presos um morador de Botucatu, que não havia sido localizado no dia da operação, e a da mulher de um detento que comandava a venda de drogas da prisão. Ela foi presa em Pederneiras. Desses 46, 40 tiveram a prisão preventiva solicitada à Justiça. Os outros seis, de acordo com Massa, irão responder em liberdade, a maioria por ter colaborado com as investigações.
As investigações, que duraram aproximadamente quatro meses, contaram com o auxílio de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça. Os diálogos revelaram como o grupo se articulava. Nas conversas, além do tráfico, havia ameaça contra policiais civis e militares.
As gravações revelaram ainda que enquanto algumas pessoas guardavam o entorpecente, outras emprestavam a conta corrente para o dinheiro girar ou ficavam responsáveis pelas cobranças. Segundo Luiz Cláudio Massa, a quadrilha era organizada, agia dentro e fora de presídios e movimentava, por mês, cerca de R$ 300 mil, inclusive com arrendamento de pontos de drogas. 
A megaoperação envolveu 170 policiais. As pessoas foram detida em casa na Vila Prata e Jardim das Nações. Quatro pessoas que não estavam na primeira “lista” de prisões, foram identificadas em ligações telefônicas e presas por associação à quadrilha.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia