Publicidade
Publicidade
Publicidade
Além da água, SAAE teve avarias na rede de esgoto
Prejuízo estimado da autarquia é de R$ 2 milhões; chuva também destruiu interceptor de esgoto
Além da água, SAAE teve avarias na rede de esgoto
DESTRUIÇÃO - Saae também perdeu móveis, computadores e documentos na enchente
O diretor do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto), José Antonio Marise, diz que o prejuízo estimado da autarquia em decorrência da enchente foi de R$ 2 milhões. A sede da autarquia também foi inteiramente tomada pela água, que subiu mais de um metro e meio no andar superior, destruindo arquivos e molhando os equipamentos de informática.
Assim que houve o alagamento da estação de tratamento de água do SAAE, a expectativa era de que o sistema só voltasse a funcionar hoje, quarta-feira. Mas graças ao trabalho ininterrupto dos servidores da autarquia, o tratamento de água e seu devido fornecimento à população foi restabelecido no domingo, sendo totalmente normalizado na segunda-feira.
Segundo o presidente José Antonio Marise, o trabalho foi grande porque, além da recuperação dos equipamentos, foi necessária a desinfecção de todo o sistema. “O que nos ajudou bastante a atender a população nesses dias sem a estação, que fornece a metade da água consumida pela população lençoense, foi a ajuda recebida de empresas e até de autônomos com caminhões-pipa que levaram água de poço para os diferentes pontos da cidade”, declarou.
O SAAE possui apenas um caminhão para o transporte de água potável, mas pode contar com 16 de terceiros que, além do veículo, também ofereceram motoristas para conduzi-los. Ao todo foram mais de 30 caminhões-pipa, pois também trabalharam alguns de água não potável, empregados na limpeza de ruas, casas e estabelecimentos tomados pela lama.
Além da inundação da estação de tratamento, o Saae também sofreu a queda de interceptores que levam os esgotos para a ETE (Estação de Tratamento de Efluentes), que fica às margens da rodovia Marechal Rondon (SP-300).
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia