Publicidade
Publicidade
Publicidade
‘Coloco a candidatura à disposição da oposição e da cidade’,diz Pita
Pré-candidato promete governar com o povo e devolver todos os servidores municipais desviados de suas funções originais
‘Coloco a candidatura à disposição da oposição e da cidade’,diz Pita
NA PISTA - Pita se coloca como pré candidato ao cargo máximo do Executivo - (Foto: Tiago Moreno/O ECO)
O vereador Humberto José Pita (PRB), auto-anunciado pré-candidato a prefeito de Lençóis Paulista nas próximas eleições, disse ontem a O ECO que se coloca na corrida perseguindo um sonho que o acompanha desde os tempos de menino. Lembrou de sua infância em Ribeirão Preto, onde acompanhou o pai, pequeno comerciante, que era um adhemarista roxo. Quando estudava no ginásio foi chamado a fazer e expor um trabalho sobre personalidades. Enquanto seus colegas escolheram Kennedy e outras personalidades internacionais, fez uma exposição sobre o prefeito da cidade, Welson Gasparini, que na época cumpria o primeiro dos seus cinco mandatos de prefeito naquela cidade e hoje é deputado estadual. “Tirei nota 10” – lembra. 
Estudou medicina em Botucatu, mas não se envolveu em política estudantil naqueles duros anos de chumbo. Foi interessar-se (e aprender) a fazer política em Cerqueira Cesar, a primeira cidade onde trabalhou como ginecologista depois da formatura. No começo dos anos 80, mudou-se para São Manuel, onde elegeu-se vereador e presidiu a Câmara, mas foi preterido na candidatura a prefeito, segundo ele. 
Não se conformou e, na época, acabou se divorciando da primeira mulher, que não o queria prefeito. Por conta da separação e por razões de mercado de trabalho, mudou-se para Lençóis em novembro de 1999. Logo filiou-se ao PR (Partido da República) e exerceu a presidência local do partido por quatro anos. Em 2012 candidatou-se a vereador e, na posse, teve a surpresa de ser feito presidente da Câmara, numa articulação do colega vereador Ailton Aparecido Tipó (PMDB). Agora, passados três anos e meio de atuação oposicionista, apresenta seu nome como postulante à Prefeitura. Disse que sua decisão decorre do sonho e da realidade, e que “nesse momento tão turbulento da política nacional, uma pessoa íntegra, que tem trabalho, que tem família, que gosta da política, tem de se oferecer como candidato”.
Pita afirmou que escolheu o caminho de viabilizar sua candidatura (pelo PRB) e colocá-la à disposição da oposição na Câmara, pois sabe que precisa ter um grupo para ter condições de concorrer e governabilidade no caso de ser eleito. Revelou estar em conversação com o grupo e buscando boas alternativas. Religioso, disse ter fé inabalável e saber que Deus o encaminhará. “Tenho três meses para viabilizar a candidatura e, e não viabilizar, eu recuo. Terá sido o fim do sonho” – destacou, afirmando que não será candidato a reeleição como vereador. 
Falou também que gostaria que sua mulher, Jorgete, concorresse à vereança, mas ela ainda não está certa disso. Também garantiu que ainda não tem candidato a vice-prefeito, desfazendo os rumores de que o posto seria de Cleusa Spirandelli que, perdendo o PTB para o grupo do vereador Tipó, mudou para o PRB, disse Pita.
SEU GOVERNO
O pré-candidato adiantou saber das dificuldades vividas pela Prefeitura Municipal de Lençóis Paulista, cujo orçamento é apertado, as máquinas estão envelhecidas, o funcionalismo descontente porque o salário não aumentou na velocidade que se espera e a saúde exige cada dia mais. Disse que resolverá os problemas, começando por cortar secretarias. Juntará duas ou três em uma. Saúde com Promoção Social, Educação com Cultura e Esporte. As diretorias incorporadas trabalharão com um coordenador, não diretor. Os veículos públicos só sairão em necessidade extrema e se for sair, levarão dois ou três diretores ou serviços juntos. O prefeito só andará no seu carro próprio e não ficará no gabinete; vai para a rua ver e resolver os problemas da cidade. 
“Vou fazer o orçamento participativo, onde a população decidirá como se gasta o dinheiro e ajudará na administração. Vou trazer a comunidade e pedir para ela me ajudar no caso, por exemplo, de uma praça, eu (prefeito) dou os insumos e o povo ajuda fazendo os serviços; nas escolas, a Prefeitura compra os materiais e a comunidade, inclusive eu, vai fazer o serviço, pintando as paredes, lavando os banheiros, trocando o reparo das torneiras e fazendo outras manutenções”, discursou.
Pita disse que o seu decreto “numero um” como prefeito será cortar cargos e devolver aos locais de origem todos os funcionários que estão fora de sua posição de contratação, que tem comissão ou função gratificada. Incentivará as aposentadorias e adotará a escolha dos diretores através da eleição entre os funcionários e carreira das próprias repartições.
AZARÃO
Pita faz analogia com as corridas de cavalos e se classifica como o candidato “azarão” (aqueles que não é favorito mas pode ganhar). Disse que apesar de todos o desgaste que o exercício do poder público ocasiona, o diretor do SAAE e ex-prefeito José Antonio Marise ainda é o favorito, desfrutando de algo como 45% dos votos, seguido de Ailton Tipó (PMDB) com 18% a 20%. “Eu acho que tenho hoje 5 e 6% dos votos e acho que se continuar, tenho viabilidade” – finalizou.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia