Publicidade
Publicidade
Publicidade
Vereadores pedem limpeza nas margens do Rio Lençóis
A preocupação é com os riscos de proliferação do mosquito aedes aegypti; Meio Ambiente e Saúde já realizaram ações na área
Vereadores pedem limpeza nas margens do Rio Lençóis
LIMPEZA – Dodô Santana foi um dos vereadores que pediu a limpeza das margens do Rio Lençóis - (FOTO: Câmara/Divulgação)
A Câmara Municipal aprovou na sessão de anteontem, indicação dos vereadores do PSDB – André Paccola Sasso, o Cagarete, Emerson Carrit Coneglian, Dodo Santana e Manoel dos Santos Silva – para que a Prefeitura providencie a limpeza às margens do Rio Lençóis, na parte central da cidade, que ainda acumula sujeira proveniente da enchente. Alertam os vereadores que o quadro pode levar à criação do mosquito aedes aegypti, entre outros males. Para a viabilização do trabalho, indicam que a Prefeitura estude a possibilidade de fazer parceria com as empresas locais e corpo de bombeiros, para que essa ação seja efetuada com rapidez. 
O diretor municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Benedito Martins, disse que logo após a enchente, sua equipe juntamente com a do SAAE, percorreu a área urbana do Rio Lençóis e retirou 70 árvores do leito do rio. Em seguida, servidores do Meio Ambiente e da Saúde realizaram a limpeza nas margens, mas, segundo o diretor, teve dificuldades para ir a alguns pontos. Entre as providências adotadas contra a proliferação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika, foi a utilização de instrumentos pontiagudos para furar os plásticos que não puderam ser removidos. Na fase inicial da limpeza pensava-se em utilizar barcos para atingir os pontos mais indisponíveis, mas houve a advertência do Corpo de Bombeiros para a necessidade de equipamentos de proteção que o município não possui.
Martins disse ontem a O ECO que, mediante a indicação dos vereadores, deverá procurar pelos bombeiros e por outros possíveis colaboradores para montar uma nova operação-limpeza na área. Falou que até agora, mesmo com o grande número de outras atividades de reparo decorrente das chuvas, não houve descuido com a margem do rio, mas reconhece a necessidade de desenvolver ações que levem à completa regularidade do local. O vereador Manezinho disse que a iniciativa da bancada tucana deve-se a solicitações de moradores e comerciantes da área atingida pelas cheias, que hoje recompõem seus imóveis e negócios.
O comerciante Ronaldo Melo, estabelecido à rua Dr. Antonio Tedesco, nas proximidades da margem do rio, disse ter preocupação não só com a possibilidade de proliferação da dengue e outros males transmissíveis pelo mosquito, mas também temer outras cheias. “Estamos recompondo nossos estabelecimentos e casas localizados na área e precisamos de garantias mínimas de que o problema não se repetirá” – disse ele, ontem a O ECO. Lembrou que além da limpeza e permanente manutenção da calha do rio, é preciso ter a certeza de que os órgãos de controle ambiental estão atuando para evitar a repetição do sinistro. Foi por isso que pediu o apoio dos vereadores.  
VEÍCULOS E GRAVAÇÃO
Os vereadores aprovaram o projeto de lei nº 40, de autoria do vereador Nardeli da Silva (PMDB), que proíbe ao Município adquirir veículos ou máquinas usados. Outro projeto de Narceli, também aprovado, obriga a gravação em vídeo das audiências públicas e dos certames (concorrências e licitações) realizadas pelo poder público de Lençóis Paulista. Também foram aprovados o projeto de autoria de Ailton Tipó Laurindo e Nardeli da Siva (PMDB), que autoriza a Prefeitura a conceder mais 5,36% de reajuste ao funcionalismo e o Projeto de Lei Complementar nº 1 de 2016, que restabelece a concessão de seis faltas abonadas por ano aos professores temporários contratados para a rede municipal de ensino. 
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia