publicidade
Nomeado bispo, monsenhor Carlos deixa Lençóis em março
Após 22 anos como pároco do Santuário Piedade, religioso assume diocese de Apucarana/PR
Nomeado bispo, monsenhor Carlos deixa Lençóis em março
BISPO DE APUCARANA - Anúncio da nomeação foi feito em cerimônia realizada na manhã da quarta-feira (12), no Santuário Piedade (Foto: Elton Laud/O ECO)
A comunidade católica de Lençóis Paulista foi pega de surpresa nesta semana com uma notícia que causou um misto de sensações. Na manhã da última quarta-feira (12), em uma cerimônia realizada no Santuário Nossa Senhora da Piedade, foi anunciada a nomeação do monsenhor Carlos José de Oliveira, de 51 anos, como bispo da diocese de Apucarana, no norte do paraná. A novidade causou muita alegria, mas também fez aflorar o sentimento de saudade, já que o religioso deixará a cidade após 22 anos à frente da paróquia, onde chegou em 1996.
Em entrevista concedida à reportagem do Jornal O ECO, monsenhor Carlos, ordenado padre em 1992, após frequentar o seminário diocesano de Mogi das Cruzes, revelou que a escolha de seu nome, feita pelo próprio Papa Francisco, foi transmitida a ele no dia 3 deste mês, mas foi mantida em segredo por conta do sigilo pontifício, protocolo do Vaticano. O anúncio oficial ocorreu na quarta-feira, simultaneamente em Lençóis Paulista e em Botucatu, sede da arquidiocese. A cerimônia foi acompanhada pela imprensa local, fiéis da comunidade e alguns membros da família do futuro bispo, todos pegos de surpresa.
Com a ordenação prevista para o mês de março, quando deve deixar Lençóis Paulista para seguir para Apucarana, monsenhor Carlos ressalta que está com o coração dividido, mas muito certo de sua missão. “Eu recebi a notícia com um natural tremor, mas me coloquei a serviço desta diocese. A saudade de Lençóis já bate, mas tenho a certeza de que busquei realizar a missão que me foi confiada aqui. Vou com o coração partido por deixar esta cidade que tão bem me acolheu, mas sigo alegre ao mesmo tempo, tranquilo e aberto para continuar servindo o povo de Deus”, completa.
A receptividade no novo estado também deve ser muito boa. Na quarta-feira, durante a entrevista ao ECO, o futuro bispo recebeu as boas vindas da própria governadora, Cida Borghetti, que fez questão de lhe telefonar ao saber da notícia. O botucatuense de nascença e cidadão lençoense de coração e também por força de honraria concedida pelo Legislativo local, Monsenhor Carlos comenta que não conhece a cidade que lhe abrigará pelos próximos anos, mas que já sente um profundo carinho por ela.
“O episcopado é um serviço à edificação da igreja, à construção do reino de Deus. Ser sacerdote é minha vocação desde todo o sempre. Nasci em uma família profundamente católica e desde muito pequeno sentia isso dentro de mim. Vou seguir com a missão que Deus me deu em Apucarana com o mesmo propósito que me guiou nos últimos 22 anos aqui, em Lençóis Paulista”, destaca o monsenhor, que nos próximos meses terá um período de retiro espiritual e preparação para a ordenação, quando passará a ser chamado de Dom Carlos José de Oliveira.
À comunidade católica lençoense, que também celebrou a notícia em uma missa solene realizada na noite da quarta-feira, monsenhor Carlos deixa uma mensagem de agradecimento. “Tenho muita gratidão por Lençóis Paulista. Só tenho que agradecer a cada irmão e irmã lençoense, porque eles me ensinaram a ser padre. Também faço um pedido para que todos rezem para que eu possa continuar minha missão sendo um bom bispo, agora em Apucarana, mas levando cada lençoense no meu coração”, finaliza.
SUCESSÃO
O arcebispo da Arquidiocese de Botucatu, Dom Maurício Grotto de Camargo, já nomeou o sucessor de monsenhor Carlos José de Oliveira no Santuário Nossa Senhora da Piedade. Padre Adauto José Martins, de 45 anos, que é lençoense, deixa a Paróquia Nossa Senhora Consolata, de São Manuel, dá qual está à frente há 10 anos, para retornar à cidade natal. A chegada oficial do novo padre deve ocorrer no dia 10 de fevereiro.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia