Varejo projeta aumento nas vendas de pescado em Lençóis
Com bacalhau em alta, peixes de valor mais acessível ganham destaque nos supermercados
Varejo projeta aumento nas vendas de pescado em Lençóis
DEMANDA - Procura por peixes já movimenta os supermercados, mas aumento expressivo nas vendas deve ocorrer na semana que vem (Foto: Elton Laud/O ECO)
Faltando pouco menos de 10 dias para o início da Semana Santa, os supermercados de Lençóis Paulista já registram aumento na procura pelos pescados e investem em opções para atender a diferentes perfis de público. Com o preço do bacalhau pouco atrativo aos consumidores, outros peixes mais em conta têm ganhado cada vez mais espaço nos carrinhos de compras. A reportagem do Jornal O ECO foi conferir os preços em três estabelecimentos da cidade.
O Bacalhau do Porto, que ainda é o preferido de muitas famílias para o almoço da Sexta-Feira Santa, continua com o preço um pouco ‘salgado’ para alguns orçamentos, com o quilo variando, de acordo com pesquisa feita nessa sexta-feira (5), de R$ 69,90 a R$ 79,50 de um local para outro. Para quem não dispensa os pratos típicos à base de peixe salgado, mas quer gastar menos, as opções mais em conta são a Polaca do Alasca, que custa entre R$ 21,90 e R$ 25,40, e o Zarbo, vendido entre R$ 35,90 e R$ 36,90.
Essa, aliás, foi a opção da dona de casa Clotilde Siqueira, que revela que há pelo menos cinco anos tem ‘fugido’ do bacalhau. “A gente sempre vem, pesquisa e avalia qual é a melhor opção e, na comparação dos preços a diferença é bem grande. Por isso, optamos pelo mais em conta. É claro que não é a mesma coisa, mas também fica muito bom. Na Sexta-Feira Santa a gente sempre recebe os filhos e netos para o almoço e nunca ninguém reclamou”, brinca.
Outros peixes com o preço mais acessível também têm sido bastante procurados como alternativa, principalmente para os demais dias da Semana Santa. O filé de Merluza, um dos mais vendidos, pode ser encontrado entre R$ 19,90 e R$ 21,45, o quilo. O filé de Mapará, também muito requisitado, está sendo vendido de R$ 16,80 a 18,99. Já o quilo da sardinha custa de R$ 11,49 a R$ 15,90, a inteira, e de R$ 6,99 a R$ 7,90, a esviscerada.
EXPECTATIVA
A variedade tem sido a principal aposta do setor varejista para as vendas de pescados para a Semana Santa. Com expectativa bastante otimista em relação ao crescimento da demanda em relação ao ano passado, alguns supermercados de Lençóis Paulista aumentaram não apenas a oferta, mas também o mix de produtos oferecidos aos seus clientes.
“Sem dúvida, esperamos que os peixes tenham mais procura a partir dos próximos dias. Para opções como Bacalhau, entre outros tipos de pescados e seus derivados, a expectativa da rede é de um aumento de cerca de 8% nas vendas para este ano”, comenta Rafael de Oliveira Gonçalves, diretor comercial de uma das redes que atua na cidade.
Mais otimista ainda é Ronaldo Viegas, diretor comercial de outro supermercado local, que projeta até 30% de crescimento. “Trabalhamos bem forte na linha de peixes e esperamos vender por volta de 30% a mais neste ano. Muitos produtos já estão tendo saída, mas acreditamos que as vendas mais expressivas aconteçam a partir da próxima quarta-feira”, relata.
Bombons e barras de chocolate devem superar as vendas de ovos
Assim como no setor de pescados, os supermercados de Lençóis Paulista também têm dado uma atenção especial aos displays de ovos de chocolate e produtos relacionados à Páscoa, que já ganham destaque nos corredores. A data, que neste ano será comemorada no dia 21 deste mês, também deve ser responsável por incrementar as vendas. A expectativa do setor, no entanto, é que os produtos de valor mais acessível tenham maior saída. É o que revela o diretor Ronaldo Viegas.
“Também temos bastante variedade nesse setor, mas percebemos que as pessoas têm procurado os produtos mais baratos. Só para se ter uma ideia, já esgotamos o estoque dos ovos de chocolate menores, por exemplo. Também apostamos nas alternativas como kits de caixas de bombons com tabletes, que estão tendo boa saída. Na quinta-feira (4) já havíamos vendido cerca de 25% do estoque de produtos compramos para a Páscoa”, acrescenta.
O que se percebe, de fato, é uma mudança no perfil de consumo. De acordo com Rafael de Oliveira Gonçalves, o crescimento médio nas vendas de ovos de chocolate deve ser de 10% em relação a 2018, mas o aumento mais expressivo deve ser registrado na procura dos produtos relacionados, como bombons e barras de chocolate. “Muitas famílias buscam por outras alternativas para não deixar de presentear. Sempre temos um aumento nas vendas das barras de chocolate, caixas de bombons e afins e estimamos um crescimento de 20% para este ano”, afirma o diretor.
CRIATIVIDADE
A diarista Zuleide Costa é um bom exemplo da prática que tem sido adotada por muitos consumidores. Ela revela que no ano passado, com o orçamento mais apertado e com os preços dos ovos de páscoa mais elevado, acabou optando por comprar caixas de chocolate para os dois filhos, de 10 e 11 anos. Agora, porém, ela decidiu inovar para fazer a alegria das crianças.
“No ano passado eles não gostaram muito, não, mas acabaram entendendo. Neste ano, minha irmã e eu decidimos fazer os ovos em casa. Compramos as formas em uma loja daqui e estamos planejando fazer no próximo final de semana. Ainda não compramos as barras de chocolate, mas já vi que fica bem mais em conta. Acho que vamos acabar fazendo até mais do que estávamos esperando”, comenta.
PESQUISA
A reportagem do Jornal O ECO fez um levantamento de preços de ovos de chocolate e produtos relacionados à Páscoa em três supermercados de Lençóis Paulista, porém, devido à grande variedade de produtos e ao fato de nem todos os estabelecimentos trabalharem com as mesmas linhas, não foi possível fazer um comparativo mais detalhado. Nos poucos itens encontrados nos três locais, a pesquisa revelou que o preço pode variar bastante, chegando a 35,3%. Os ovos mais baratos encontrados foram os de 50 gramas da marca Village, encontrados a R$ 5,99. Os mais caros foram os de 365 gramas da marca Ferrero Rocher, vendidos a R$ 95,90.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia