Prefeitura inicia operação do novo aterro sanitário
Local tem licença de operação de cinco anos, mas vida útil pode chegar a 20 anos
Prefeitura inicia operação do novo aterro sanitário
PRONTO - Ocupando área de 85 mil metros quadrados, novo aterro sanitário começou a funcionar na terça-feira (Foto: Divulgação)
Começou a funcionar na terça-feira (5) o novo aterro sanitário de Lençóis Paulista. O local para disposição final dos resíduos sólidos gerados diariamente pela população está localizado na área rural (Fazenda Barra Grande), distante 13 quilômetros da cidade. A preparação da nova área, iniciada em março de 2019, levou 12 meses. O aterro tem licença de operação de cinco anos, prorrogável por mais cinco. No entanto, a vida útil do local pode chegar a 20 anos.
“Enquanto outras cidades estão formando consórcios para tentar solucionar esse problema, estamos entregando um novo aterro sanitário que vai dar tranquilidade pelos próximos 20 anos. Esse foi um projeto que começou na gestão da ex-prefeita Bel Lorenzetti (PSDB) e que estamos entregando após muitas dificuldades técnicas. Essa é uma grande conquista do ponto de vista econômico e ambiental”, declara o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM).
Os recursos para investimento no local vieram do Fundo Estadual dos Interesses Difusos (FID), órgão ligado a Secretária de Justiça do Estado de São Paulo. O convênio assinando foi de cerca de R$ 2,48 milhões, mas a empresa que realizou os serviços venceu a licitação por R$ 2,2 milhões. Para concluir a obra, a Prefeitura Municipal entrou com equipamentos e recursos próprios que totalizaram um pouco mais de R$ 300 mil. A obra custou R$ 2,5 milhões.
O aterro ocupa uma área de 85 mil metros quadrados e atende a todas as exigências da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo): cerca e isolamento da área, portaria, balança para pesagem e controle dos resíduos recebidos, lavador, sistema de drenagem de águas pluviais, manta de impermeabilização, sistema de drenagem de chorume e captação de gás. A área inicialmente licenciada é de 18,6 mil metros quadrados.
A Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente destaca que, para que o local seja bem aproveitado, cabe aos munícipes descartar corretamente seus resíduos, separando-os em orgânicos e recicláveis. Isso ajudará a aumentar a vida útil da nova área e na preservação dos recursos naturais. Nesse sentido, o projeto Coleta Certa é um aliado no prolongamento da vida útil do aterro, já que ele incentiva a população na separação correta dos resíduos.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia