Tudo ficou para depois, porque resolvemos priorizar vidas, diz Prado
Cidade comemorou aniversário sem festa em meio à pandemia
Tudo ficou para depois, porque resolvemos priorizar vidas, diz Prado
BEM MAIOR - Prefeito Anderson Prado de Lima diz que o mais importante é salvar vidas (Foto: Divulgação)
No último dia 28 de abril, Lençóis Paulista completou 162 anos de emancipação político-administrativa. A cidade, antes conhecida como Boca do Sertão, como lembra seu próprio hino, foi colonizada por bandeirantes que, em meados do século XIX, se aventuraram a desbravar o desconhecido no coração do estado de São Paulo. Os primeiros habitantes desta terra chegaram na região pelas águas do Rio Tietê e depois subiram pelo afluente que recebeu nome de Rio Lençóis, pois a espuma que se formava no ponto de encontro dos cursos d’água se assemelhavam a lençóis.
Assim surgiu a Vila de Lençóis, elevada à condição de Freguesia em 28 de abril de 1858, com a doação de terras para o patrimônio de Nossa Senhora da Piedade, padroeira lençoense. Anos depois, o município se tornou um grande reduto de imigrantes, principalmente os italianos, que como todos os que se instalaram por aqui contribuíram imensamente para o desenvolvimento local. Sempre acolhedora, a cidade é lugar de inúmeros sotaques vindos de todas as partes do país e do mundo. Lençoenses, de nascimento ou de coração, que nesta época sempre celebraram juntos.
Neste ano, porém, todo o colorido, alegria e energia do 28 de abril foram ofuscados. Diferentemente das grandes festividades com as quais a população local sempre esteve acostumada, o aniversário da cidade foi comemorado de forma bem simples e discreta. Por conta das medidas preventivas adotadas em decorrência da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), apenas um ato cívico fechado com a participação de autoridades foi realizado na Sala de Sessões Mário Trecenti, sede de reuniões da Câmara Municipal.
De forma sem precedentes, o coronavírus tem mudado drasticamente a rotina da população. Em cerca de seis meses, desde que o primeiro caso identificado na China foi notificado à OMS (Organização Mundial da Saúde), quase 4 milhões de pessoas já foram infectadas, sendo que mais de 280 mil morreram devido às complicações da Covid-19. Como em praticamente todo o Brasil e outros 187 países ao redor do mundo, a cidade também enfrenta os efeitos da pandemia não apenas nas questões relacionadas à saúde pública, mas em todos os campos da sociedade.
Em entrevista concedida à reportagem do Jornal O ECO na semana passada, o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM) comentou sobre o momento delicado e lamentou pela suspensão de serviços e atividades, o que compromete de forma significativa a economia local, além do cancelamento de eventos importantes para o turismo, como o próprio desfile cívico em comemoração ao aniversário, a Facilpa (Feira Agropecuária, Comercial e Industrial de Lençóis Paulista), o Lençóis Motorock, os Jogos Regionais e os Jogos Regionais do Idoso.
No campo da administração, o prefeito também se disse frustrado por ser forçado a interromper muitos planos, como o projeto de expansão da coleta de lixo mecanizada implantada pelo programa Coleta Certa, a conclusão das obras de infraestrutura e paisagismo que compõem o plano de revitalização da área central, a reabertura do histórico Estádio Municipal Archangelo Brega (Bregão), que deveria receber uma reforma a tempo de sediar a abertura dos Jogos Regionais, entre outras coisas. Tudo deu lugar ao enfrentamento à pandemia.
“Tudo ficou para depois, porque resolvemos priorizar vidas, investir nossos recursos e nossa força no combate à Covid-19. Estou triste, evidentemente, pois não queria que este ano fosse assim, mas, enquanto lençoense, estou orgulhoso de fazer parte dessa brava gente. Hoje sei, com um pouco mais de clareza, porque estou neste lugar e neste tempo. É preciso mais do que força para enfrentar isso e não falo só de mim, falo de todos os prefeitos do Brasil. É necessário ter fé e amor, e eu tenho isso de sobra por esta cidade”, disse.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia