Alunos veem a rotina de estudos mudar radicalmente
Pandemia do novo coronavírus não interfere no calendário do Ministério da Educação, que abriu as inscrições para o ENEM
Alunos veem a rotina de estudos mudar radicalmente
ANO ATÍPICO - Alunos que pretendem fazer o Enem neste ano têm a rotina de estudos alterada por conta da pandemia do novo coronavírus (Foto:Divulgação)
Mesmo diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o Ministério da Educação abriu na segunda-feira (11) as inscrições para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2020, que seguem até o dia 22 de maio. O procedimento deve ser feito na Página do Participante, no site ou no aplicativo do Enem.
Há duas novidades em 2020: o Enem Digital, em aplicação-piloto para 101 mil inscritos, e a utilização de programas eletrônicos para facilitar a leitura de pessoas com deficiências visuais. Nesta edição, o Enem se integra ao portal de acesso único do Governo Federal.
A versão digital do Enem é ofertada em todos os estados e no Distrito Federal. Apenas os alunos concluintes ou que já terminaram o Ensino Médio e não precisam de recurso de acessibilidade poderão se inscrever. Os computadores para o exame serão disponibilizados nos locais de aplicação e não será possível utilizar equipamento pessoal.
ROTINA AFETADA
O jovem Luis Otávio de Alcantara pretende fazer o Enem, mas confessa que está sendo bem complicado se manter organizado. “O colégio onde estudo está nos ajudando muito. Estamos tendo aulas ao vivo e gravadas, atividades e simulados. Está sendo bastante puxado, mas tudo isso é importante. É necessário que nós, como alunos, nos dediquemos para passarmos por tudo e, consequentemente, consigamos atingir um bom desempenho”, relata o jovem, que diz que, apesar das dificuldades, se sente seguro para a prova. “Já me sinto preparado. Diante da situação, estou estudando demais, os professores estão focados em nos dar todo o apoio e orientação”, frisa.
Thayla Trevelino, aluna de cursinho pré-vestibular, é um pouco mais crítica. Para ela, o Enem não deveria ser realizado neste ano. “Infelizmente, muitos alunos não conseguem ter acesso a aulas on-line e muitas escolas da Rede Pública não transmitem as mesmas. Tenho medo, pois não vou saber se alguma pessoa da sala pode estar contaminada pelo vírus”. A rotina de estudos mudou consideravelmente no caso da jovem. “Continuo estudando todos os dias para a prova, mas infelizmente não é com a mesma intensidade das aulas presenciais. Com toda certeza a pandemia está interferindo nos estudos, pois na minha opinião, o ensino à distância dificulta o meu aprendizado e a compreensão e muitas vezes precisamos ter mais foco para seguir em frente”, pontua.
Mas não são somente os alunos que tiveram suas rotinas alteradas por conta da pandemia. Professores e dirigentes também precisaram se adaptar à nova realidade. Selma Pereira de Freitas Spunar, diretora do Colégio São José, lembra que o período não é de férias e acredita que o primeiro desafio a ser vencido é a ideia de que em casa não é possível ser produtivo. Para isso, basta criar uma rotina de afazeres, incluindo o horário para estudos. Mesmo assim, ela lembra que toda situação nova interfere de alguma forma, ainda mais em um exame de tal importância. “Temos visto que muitas pessoas estão altamente estressadas, deprimidas, com saúde abalada, preocupadas, e tudo isso interfere. Há, normalmente, uma pressão por bons resultados em relação ao Enem os dias que estamos vivendo influenciarão no desempenho de muitos. Escola e família devem estar atentas para apoiar o estudante em tudo o que for necessário”, completa.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia