Rede Municipal de Ensino segue com plano de trabalho remoto
Proposta de atividades à distância foi implementada para minimizar os efeitos do afastamento temporário dos alunos
Rede Municipal de Ensino segue com plano de trabalho remoto
APRENDIZADO - Segundo Meiri Montanhero, aulas remotas têm surtido bom resultado na Rede Pública (Foto: Wagner Gonçalves/Divulgação)
Com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o Brasil e o mundo precisaram se reinventar. A internet passou a ser uma ferramenta de vital importância para a vida pessoal, profissional e também educacional. Lençóis Paulista não foge à regra. A Secretaria de Educação, seguindo orientações de diversos órgãos da área e do próprio Conselho Municipal de Educação, elaborou um plano de trabalho para o período de suspensão das aulas, com atividades remotas.
“A proposta foi implementada para minimizar os efeitos do afastamento temporário dos alunos com as unidades escolares e dar continuidade ao desenvolvimento de algumas habilidades presentes no currículo escolar. O mais importante é o estabelecimento e o desenvolvimento de uma rotina e de estudos dirigidos, utilizando-se dos recursos tecnológicos disponíveis”, destaca Meiri Montanhero, secretária de Educação de Lençóis Paulista.
As atividades elaboradas estão disponíveis na página da secretaria de educação, desde o dia 6 de abril, quando os professores voltaram do recesso antecipado. Os gestores das unidades escolares, com o apoio e a participação de todos os professores, organizaram os grupos de pais e alunos, estabelecendo um canal de comunicação para encaminhar o material através de e-mail, WhatsApp e redes sociais.
Segundo Meiri, a maioria dos pais e responsáveis pelos alunos matriculados na Rede Municipal estão dando retorno sobre as atividades enviadas. Para os alunos da zona rural, as atividades são impressas e enviadas pela Secretaria de Educação semanalmente, assim como para os alunos da cidade que não têm acesso à internet ou outras ferramentas tecnológicas.
“Vários recursos estão sendo disponibilizados para auxiliar o professor na elaboração de atividades remotas. Além do livro didático integrado que adotamos, o Sistema de Ensino Aprende Brasil está disponibilizando videoaulas, blogs de assessoria, links, aplicativos, portal, plataforma Positivo On, bem como ambiente virtual para formação continuada de professores, que estão realizando um trabalho muito significativo”, pontua.
A expectativa é de que o ensino remoto siga até o fim da quarentena. “Caso tenhamos autorização para o retorno das aulas presenciais de forma gradual e flexibilizada. Esse retorno precisará ser cuidadosamente planejado do ponto de vista sanitário, uma vez que as escolas provavelmente serão reabertas ainda em meio a preocupações quanto à pandemia. Aguardamos e vislumbramos poder retornar definitivamente e com segurança, o mais breve possível”, finaliza Meiri.
 
 
 
 
 
Estado também conta com aulas remotas
A Rede Estadual de Ensino de São Paulo já conta com o Centro de Mídias da Educação de São Paulo (CMSP). A plataforma permite que estudantes tenham acesso a aulas ao vivo, videoaulas e outros conteúdos pedagógicos durante o período de quarentena. O CMSP conta com dois aplicativos. O CMSP para Ensino Fundamental dos Anos Finais e Ensino Médio e o CMSP Educação Infantil e Anos Iniciais. Os aplicativos estão disponíveis para os sistemas Android e IOS.
“Diante da nova realidade do ensino mediado pela tecnologia, apesar de materiais impressos também estarem sendo utilizados, temos procurado saber do impacto e avaliação que os alunos e suas famílias têm a nos dar. O retorno tem sido muito positivo, as aulas do CMSP, especialmente, têm sido bem elogiadas. Os grupos com interação entre alunos e seus professores fazem com que o aluno não perca a conexão com a escola, ele continua interagindo, aprendendo, mas de uma nova forma. A aprovação desta nova maneira de ensinar e aprender, em um momento tão atípico, tem sido maior a cada dia”, comenta Gina Sanchez, dirigente Regional de Ensino de Bauru.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia