Publicidade
Publicidade
Publicidade
Casos de dengue reduziram 91% até maio
Nos cinco primeiros meses de 2015, foram 852 notificações contra 127 entre janeiro e maio deste ano
Os casos de dengue registrados entre janeiro e maio de 2016 caíram 91% em relação ao mesmo período de 2015. Também houve redução significativa no total de notificações no período. Nos cinco primeiros meses de 2015, foram 852 notificações contra 127 entre janeiro e maio deste ano. Lençóis Paulista ainda contabiliza um caso positivo do Zika Vírus em 2016.
Entre os meses de janeiro e maio de 2015 foram 460 casos positivos de dengue em Lençóis Paulista. Já de janeiro a maio deste ano, foram 38 casos positivos, sendo 30 autóctones.
No ano passado, os picos da doença ficaram registrados nos meses de março (145) e abril (191). Durante todo o ano, foram 476 casos positivos da doença, 398 autóctones (contraídos no município), sendo que 896 pessoas passaram por unidades e pela rede privada, com sintomas comuns à dengue, e foram orientadas a fazer o exame para confirmação do diagnóstico.
A contenção da epidemia foi garantida por meio da intensificação das ações de combate ao mosquito Aedes aegypti pela Diretoria de Saúde, em várias frentes: projetos envolvendo crianças, conscientização da população e medidas de cunho jurídico, como entrada forçada em imóveis fechados, ampliação das equipes e maior rapidez nos bloqueios casa a casa e nebulizações.
“Estamos otimistas com os resultados de nossas ações. Embora nossos números sejam positivos, não podemos descuidar do controle, cada um deve fazer a sua parte eliminando os criadouros de dentro de casa pois eles representam 80% do total de criadouros encontrados. Não jogar lixo em terrenos baldios pois apesar do empenho de todos os funcionários da saúde, a população é nossa parceira e corresponsável pela eliminação do Aedes. Esse cuidado deve ser realizado durante todo o ano, e não apenas nos períodos de maior transmissão”, enfatiza o diretor de Saúde, Márcio Caneppele Santarém.
 
Saúde passa a usar inseticida biológico
Desde março, a Diretoria de Saúde utiliza inseticida biológico para o trabalho de bloqueio casa a casa. Esse processo consiste em vistorias nas regiões onde foi detectada suspeita da doença. A área de cobertura é de 200 metros (raio) do ponto da notificação.
O inseticida é conhecido por BTI, sigla para Bacillus thuringiensis israelensis. Homologado pela Anvisa, é menos agressivo que o inseticida enviado pelo Ministério da Saúde, mais fácil de ser aplicado e capaz de extinguir as larvas do Aedes aegypti em 24 horas.
 
Ações contemplam de informação à eliminação de criadouros
Desde novembro de 2014, a Diretoria de Saúde trabalha de forma contínua para combater o mosquito Aedes aegypti, e assim prevenir doenças como a dengue, zika e chikungunya.
Os agentes comunitários de saúde, supervisores de saúde comunitária e enfermeiras estão diretamente envolvidas nessa luta, em ações que vão desde palestras educativas até a eliminação dos criadouros.
De casa em casa, é realizado mensalmente o projeto '10 minutos contra o Aedes', que consiste na distribuição de um checklist com locais propícios ao aparecimento de larvas. Este folheto é entregue durante a visita mensal do agente comunitário e serve para lembrar o morador de fazer uma checagem semanal.
Nas escolas da rede municipal, os alunos de creches, pré-escola e primeiros anos do ensino fundamental foram envolvidos na gincana 'Caça ao Tesouro'. O projeto ensina os alunos como não deixar o mosquito nascer, além de outras informações, como sintomas das doenças, por meio de cartilha educativa.
Com as crianças maiores, é desenvolvido o projeto Agente Mirim. Consiste na capacitação dessas crianças para que elas sejam fiscais em casa e no bairro.
Esses dois projetos chegam a mais de oito mil crianças da rede municipal.
Paralelamente, os agentes comunitários também visitam creches, escolas municipais e até particulares com a peça de teatro 'Todos contra o Aedes'.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia