Publicidade
Publicidade
Publicidade
Chuva forte causa estragos em Lençóis
Grande volume de água inundou casas na Vila Baccili e destruiu ponte na zona rural
Chuva forte causa estragos em Lençóis
ESTRAGO - Chuva alagou casas na Vila Repke e Baccili - GABRIEL COCHI
O grande volume de chuva registrado desde o sábado, 9, até ontem em Lençóis Paulista causou estragos em alguns pontos da cidade e deixou parte da população apreensiva quanto ao risco de enchente, algo que não ocorre desde 2011. O nível do Rio Lençóis e seus afluentes subiu consideravelmente a partir da noite do domingo e a forte correnteza deixou marcas por onde passou (veja abaixo).
Segundo informações da Defesa Civil do município, da meia noite do sábado até a tarde de segunda-feira, as chuvas que atingiram a bacia do Rio Lençóis totalizaram em média 190 milímetros por metro quadrado. O maior volume foi registrado no domingo: 91 milímetros.
Na noite de domingo, por volta das 23h, após o entupimento da tubulação que faz o escoamento das águas do Córrego Corvo Branco sob a rua André Baccili, na Vila Baccili, três casas situadas no mesmo terreno ao lado da ponte foram invadidas por um grande volume de água. O nível da água chegou a cerca de 30 centímetros, segundo os moradores.
O pedreiro Ricardo Pedroso, um dos moradores, relata que todos já estavam dormindo quando ele percebeu o que estava acontecendo. "Não houve tempo de socorrer quase nada. A água subiu rápido e invadiu tudo. Pegou todo mundo de surpresa", conta 
Sofá, guarda-roupas, colchões, geladeira, máquina de lavar, além de roupas e alimentos foram atingidos pela água. "Nem tudo ficou completamente danificado, mas muita coisa terá que ser jogada fora. Tem um guarda-roupas que eu nem paguei a primeira prestação ainda" desabafa.
Além de Ricardo, outras 15 pessoas, entre elas sete crianças, residem no local. Apesar do susto, ninguém ficou ferido. Equipes da Prefeitura estiveram no local para desobstruir a tubulação. As avaliações da Defesa Civil, segundo o coordenador, José Antonio Marise, apontam que pedaços de madeira, inclusive de um guarda-roupas, restos de construção e vegetação foram responsáveis pelo entupimento, fazendo o nível do córrego subir.
Em nota, a Prefeitura Municipal justificou o fato dizendo que o imóvel foi construído em área irregular, em uma Área de Proteção Permanente (APP), procedimento que não é permitido pela legislação.
As famílias atingidas receberam colchões e cesta básica, disponibilizados pela Diretoria de Assistência e Promoção Social do município.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia